Centro de Andrologia e Urologia


Bexiga Hiperativa.

05/10/2009 06:21

Bexiga hiperativa é a condição onde há um predomínio da sensação de urgência para urinar, quase sempre acompanhada de aumento da frequência urinária. Algumas pessoas podem apresentar também incontinência urinária.

Durante o enchimento da bexiga , experimentamos sensações apropriadas que nos permitem retardar a micção até que  essa esteja completamente cheia. Esse controle tem influência decisiva sobre a nossa qualidade vida. Indivíduos acometidos de bexiga hiperativa frequentemente apresentam  dificuldade em exercer suas tarefas diárias devido às freqüentes visitas ao sanitário. Muitas vezes os sintomas pioram à noite com conseqüências graves. O indivíduo que não consegue dormir durante pelo menos 3 horas seguidas, corre sério risco de saúde.

                A sensação de urgência é o fator decisivo na bexiga hiperativa e não sabemos se essa representa um nível aumentado da sensibilidade normal ou se é um sintoma completamente diferente, proveniente de outras regiões da bexiga e uretra.

                A bexiga hiperativa é um pouco mais freqüente nas mulheres do que nos homens e aumenta com a idade, em ambos os sexos. No Brasil, estima-se que ocorra em aproximadamente 15% dos indivíduos entre os 15 e 55 anos.

               

Você tem bexiga hiperativa?

                Em condições normais, urinamos cerca de 7 vezes em um período de 24 horas. É perfeitamente normal urinar uma vez à noite. A cada micção urinamos entre 300 e 400 ml de urina e a frequência vai depender diretamente do volume de líquido ingerido.

                Muitas vezes há um aumento da frequência noturna. Essa condição conhecida como noctúria é mais comum em indivíduos mais velhos e está geralmente relacionado ao aumento do volume de urina durante o período de sono, e não a hiperatividade da bexiga. Isso significa que há uma grande diferença entre pessoas que levantam para urinar, várias vezes, grandes volumes de urina e aqueles com a mesma frequência, porém com uma necessidade urgente provocada por um pequeno volume de urina.

 

Quais são as causas da bexiga hiperativa.

                A hiperatividade da bexiga pode ter várias causas e em muitos, têm origem desconhecida.

                Doenças neurológicas frequentemente causam bexiga hiperativa. Indivíduos paraplégicos e tetraplégicos podem apresentar bexiga hiperativa, devido à grave lesão da medula espinhal. Tumores cerebrais, hérnias de disco vertebral, “derrames”, esclerose múltipla e o diabete também podem estar envolvidos.

                No homem adulto, o crescimento da próstata pode provocar uma obstrução, dificultando o esvaziamento da bexiga. A persistência do problema pode levar a um estado de hiperatividade da bexiga, muitas vezes acompanhado de incontinência urinária. Homens mais jovens ou com próstatas pequenas  podem apresentar outras causas de obstrução com sintomas semelhantes.

                Na mulher, a obstrução geralmente ocorre devido aos prolapsos (bexiga caída), como complicação de cirurgias para correção de incontinência urinária e em um terço dos casos é completamente desconhecida (idiopática). Entretanto, a maioria das mulheres com bexiga hiperativanão apresenta obstrução urinária.

                O posicionamento inadequado da uretra e ou bexiga podem estar envolvidos nas causas de urgência miccional. Frequentemente porém, não é possível encontrar um fator responsável. Estudos recentes demonstraram que indivíduos com bexiga hiperativa  tem uma deficiência de um “fator inibidor” produzido pelo epitélio da bexiga,porém ainda desconhecido.

               

Avaliação.

                A avaliação dos sintomas e o diário miccional são os elementos fundamentais para o diagnóstico e resultado do tratamento instituído.

                Muitas vezes, o médico não precisa de exames complexos para iniciar o tratamento. Esses têm uma indicação formal naqueles casos que não responderam à terapia inicial.

                A avaliação urodinâmica é um desses exames onde tentamos simular as condições de enchimento e esvaziamento da bexiga, porém, frequentemente, o resultado é normal.

 

Tratamento.

                O tratamento deve diminuir a sensação de urgência, os episódios de incontinência urinária e o número de micções diárias.

                É importante salientar que o tratamento não depende somente de sua eficácia mas também de outros fatores que frequentemente não são considerados. A localização dos banheiros, a capacidade de locomoção, a destreza para despir-se, certamente interferirão no resultado do tratamento.

                O tratamento cirúrgico é indicado em situações especificas, como a correção da “bexiga caída”, remoção parcial da próstata, correção de estreitamentos de uretra, desfazer uma cirurgia prévia para correção de perdas de urina, etc.

                Nas doenças neurológicas, a diminuição da atividade da bexiga frequentemente leva a retenção de urina com necessidade de sondagens para o esvaziamento da bexiga.

                Várias medicações são utilizadas no tratamento da bexiga hiperativa. As mais comuns pertencem ao grupo dos anticolinérgicos. Há também outras. como alguns antidepressivos, alfabloqueadores e até hormônio antidiurético.

                A fisioterapia quando indicada têm um papel fundamental, pois pode, resolver o problema associada a doses reduzidas de medicação ou até mesmo sem a necessidade desses . Além disso, com o passar do tempo há uma tendência do indivíduo abandonar o tratamento medicamentoso, mesmo que o resultado inicial tenha sido positivo.     

 

 

 

 

 

—————

Voltar